pao de queijo de frigideira

Pão de Queijo de Frigideira

Como muitos alimentos excelentes no Hemisfério Ocidental, o pão de queijo tem suas raízes nas criações culinárias dos escravos africanos. Os escravos eram frequentemente privados dos cortes ‘bons’ de animais e vegetais.

Em relação ao animal, a cauda, ​​a cabeça, o estômago e a anatomia semelhante foram descartados como inutilizáveis ​​pelos proprietários de terras (pense em feijoada, outra especialidade brasileira que tem origens semelhantes).

Os escravos, com bocas para alimentar, venceram com as devoluções. A mandioca (uma planta de raiz também conhecida como aipim ou mandioquinha), era um alimento comum durante a colonização portuguesa do Brasil.

Essa raiz foi descascada, ralada, encharcada e seca, a fim de fazer uma grande variedade do que hoje são alimentos tradicionais brasileiros. O resíduo desse processo, considerado não comestível pelos proprietários de terras e outros que estavam em melhor situação, era um pó branco fino, o amido.

Os escravos reuniram esse resíduo, fizeram bolas e as assaram. Obviamente, nenhum queijo ou leite foi adicionado neste momento da história. Em suma, era amido cozido.

No final do século XIX, após o término da escravidão, outros alimentos foram disponibilizados à população afro-brasileira. E no estado de Minas Gerais, o centro da produção de laticínios no Brasil, queijo e leite foram adicionados às bolas de amido. Assim, com uma combinação da etnia afro-brasileira e a geografia agrícola de Minas Gerais, surgiu o pão de queijo, como todos sabemos agora.

De onde vem o amido da mandioca

A mandioca, uma planta tuberosa, nativa da América do Sul, é usada há milhares de anos como fonte básica de alimentos e hoje está sendo pesquisada como um alimento de segurança alimentar devido à sua resiliência às mudanças climáticas, alto rendimento e baixo custo de produção. Hoje a mandioca é uma das plantas mais cultivadas e consumidas e possui grande valor social e cultural para a América do Sul, Ásia e África. Receitaswbb.

Amidos e farinhas provenientes da mandioca

Sendo derivada de um tubérculo, a farinha de mandioca é naturalmente sem glúten, grãos e nozes, tornando-a uma substituição muito adequada para trigo e outras farinhas alternativas. Em qualquer receita que exija farinha de trigo, a mandioca pode ser usada na proporção de 1: 1, tornando incrivelmente fácil assar e cozinhar refeições sem glúten.

Como em qualquer raiz vegetal, à medida que cresce no solo, ele absorve nutrientes e poluentes nas proximidades, portanto, é importante escolher a farinha de mandioca orgânica sempre que possível.

Como é feita

A farinha de tapioca, povinho doce e azedo, ou amido é feita a partir dos restos da raiz de mandioca, obtidos após o processo de lavagem e pulsação. A polpa úmida é pressionada, removendo os restos de água e com ela o amido. O líquido extraído é evaporado deixando para trás um resíduo amiláceo – tapioca.

A tapioca é o amido é um substituto perfeito para o amido de milho e pode ser usada na proporção de 1: 1 em receitas que exigem amido de milho como espessante. A farinha de mandioca também pode ser usada neste instante para engrossar sopas e molhos.

Nutrientes da Mandioca

A mandioca é muito rica em carboidratos, cerca de 1 xícara de farinha de mandioca (285 g) contém cerca de 110 g de carboidratos, 5 gramas de fibra e 4,5 de açúcar. A farinha de mandioca também é excepcionalmente rica em vitamina C , uma xícara contém quase o valor diário recomendado para ela.

A farinha de mandioca contém amidos resistentes que variam de 0,19-2,21% – com propriedades semelhantes às da fibra solúvel. Os amidos resistentes beneficiam positivamente a saúde do trato digestivo, alimentam boas bactérias, reduzem a inflamação e o inchaço , além de promover uma boa digestão.

A fermentação tradicional do mosto de mandioca, antes de ser transformada em farinha de mandioca, ajuda a aumentar a biodisponibilidade dos nutrientes, além de aumentar o teor de proteínas, magnésio e ferro.

Farinha de mandioca não é prejudicial

A mandioca só é prejudicial quando não foi processada ou consumida adequadamente. A mandioca crua contém glicosídeos cianogênicos potencialmente tóxicos que podem se transformar em cianeto no corpo quando o tubérculo não está adequadamente preparado. Ao mergulhar a mandioca em água (quente ou fria) por uma hora, secar ao sol, fermentar ou ralar, assar e depois transformar a mandioca em farinha, você elimina qualquer preocupação de a mandioca e a farinha de mandioca serem tóxicas

Tenha certeza de que a farinha de mandioca e tapioca comprada na loja de alimentos naturais não conterá níveis perigosos de cianeto. Existem muitas outras plantas que contêm naturalmente uma pequena quantidade de cianeto em níveis que não são prejudiciais, incluindo amêndoas, sementes de maçãs, damascos e pêssegos.

Ingredientes do pão de queijo de frigideira

  • Um ovo de galinha
  • Duas colheres de sopa de polvilho azedo
  • Uma colher de sopa cheia de requeijão integral
  • Três colheres de sopa cheias de queijo do tipo parmesão ralado
  • Uma pitada de sal

Modo de preparo

Misture todos os ingrediente em uma vasilha, mexendo bastante para que adquira uma consistência homogênea e todos os ingredientes já tenham incorporado. Após isso você levará essa mistura em fogo médio dentro de uma frigideira.

Deixe dourar por alguns minutos e depois vire seu pão de queijo, até que a superfície de baixo também crie a consistência dourada do pão de queijo.

Após isso, sirva quente e bom apetite!